O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

Matéria
 
Título: Tabaco e Crianças Data: 28/03/2012
 

Tabaco e Crianças

 

Não é nenhum segredo que a indústria do tabaco com as restrições que vem sendo impostas busca novos mercados para comercializar seus produtos.
 
Uma dessas frentes são as crianças e jovens que são vistos como os futuros consumidores de cigarros.
 
Posicionamento público da Indústria do tabaco: “A propaganda não é dirigida aos jovens, a pressão dos amigos é o fator mais importante para o tabagismo infantil, a Souza Cruz fabrica cigarros para o consumo exclusivo de adultos”.
 
O que os documentos mostram: “Eles (crianças e jovens) representam o negócio de cigarros do amanhã”.
 
As estratégias da indústria estão focadas em um marketing agressivo para alcançar esse público. De diferentes formas e estratégias é enorme a quantidade de publicidade que as crianças e jovens vêem através da internet, cartazes, revistas, filmes, música, etc, a forma sedutora das mensagens que convence crianças e jovens a experimentar produtos derivados do tabaco e que sem dúvida são os alvos favoritos da indústria por representarem os novos “clientes” para seus produtos. Por serem ingênuas tanto crianças quanto jovens terminam acreditando que consumir cigarros os coloca em outro patamar entre os colegas.
 
Outra forma de atingir esse público é por meio de novas maneiras de apresentação de seus produtos, por exemplo, novos tipos de maços de cigarros com formatos e cores atrativos, ou ainda com a adição de sabores ao cigarro.
 
A indústria do tabaco possui uma experiência vasta em marketing relacionado a seus produtos; na década de 1980 em um estudo realizado em Estados Unidos se perguntou a grupos de crianças se conheciam um personagem específico de Disney e um personagem específico de uma marca de cigarros, surpreendentemente a maioria conhecia ao personagem da marca de cigarros e não ao personagem da Disney. O que demonstra isso? Que o investimento em marketing que a indústria faz é infinitamente superior a qualquer campanha de conscientização a respeito dos malefícios do cigarro.
 
Outra arma que também é utilizada é o consumismo, por isso o cigarro se associa ao esporte, à aventura, jovens, etc.
 
Por que é tão fácil convencer as crianças e jovens a consumir cigarros?
 
Tanto crianças quanto adolescentes não têm experiência e ainda estão em desenvolvimento, elas acreditam no que vêem e ouvem e por isso não entendem que algumas mensagens cheias de cores, efeitos ou personagens somente tem por intuito convencê-las a consumir um produto, assim fica muito mais fácil que no futuro sejam os novos consumidores, neste caso de cigarros. Apesar das restrições impostas por meio de leis, resoluções e proibições a indústria do tabaco está preparada para atacar por outras frentes. Pesquisas comprovam que cerca de 90% dos tabagistas começam a fumar antes dos 19 anos.
 
Uma estratégia adotada pela indústria do tabaco foi o redirecionamento de seus investimentos de marketing para ampliação e sofisticação da publicidade em pontos de venda. Por exemplo, nas cidades do Brasil, as padarias são um ponto de venda de cigarros e todos os “quiosques” estão cheios de cor, os maços estão à vista e em alguns casos à altura dos olhos das crianças. Isto induz de forma indireta à natural curiosidade da criança e do adolescente.
 
Estudos demonstram que entre 40% a 50% dos estudantes compram cigarros em lojas, bares ou em camelôs. E que entre 76% a 97% deles não foram impedidos de comprar cigarros nesses locais devido a sua idade.
 
Atualmente 15% da população brasileira fuma, o que equivale a 29 milhões de tabagistas no Brasil, cifra que, no entanto,  vem caindo nos últimos anos, e ainda se desconhece exatamente o número de crianças e jovens que fumam.
 
Iniciar o consumo de cigarros sendo criança ou adolescente aumenta as chances que na vida adulta a pessoa sofra de uma ou várias doenças relacionadas ao tabaco, por exemplo, doenças cardiovasculares (infarto), doenças pulmonares (enfisema e bronquite) e câncer de pulmão. Sabe-se que parar de fumar ou nunca ter começado diminui grandemente a possibilidade de desenvolver alguma doença.
 
Entre crianças e jovens os problemas de saúde incluem: problemas respiratórios, menor nível de função pulmonar comparadas com pessoas que nunca fumaram, menor aptidão física dos jovens em termos de desempenho e de resistência, falta de ar quase três vezes mais do que os não tabagistas, jovens fumantes têm 3 vezes mais propensão do que os não fumantes a consumir álcool, 8 vezes mais propensão a usar maconha, e 22 vezes mais ao uso de cocaína.
 
Outro problema que deve ser considerado é o tabagismo passivo de crianças, de acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), em torno de 40% das crianças estão regularmente expostas ao fumo passivo em casa. Outro dado importante é que cerca de 30% das mortes atribuídas ao fumo passivo ocorrem em crianças. Já os jovens expostos ao fumo passivo em casa são mais propensos a começar a fumar do que os não expostos.
 
Nenhuma outra medida teria tanto impacto na redução da incidência de doenças cardiovasculares e respiratórias e de câncer como a eliminação do tabagismo.
 
É de responsabilidade de todos nós que nossas crianças e jovens NÃO caiam na rede de uma indústria que visa somente o lucro ao contrário da saúde do futuro do Brasil.
Fonte: Oncoguia :Mateo Yaksic
 
Home | Quem Somos | Casas de Apoio | Hospitais | Câncer Infantil | Direitos |Contato
©2011. Todos os direitos reservados ao Instituto Arthur Amorim. Este conteúdo só pode ser publicado ou retransmitido com a citação da fonte
Av. Brasil, 532 A - Poço - Maceió - Alagoas - CEP 57025-070 Fone: (82)3320 - 4200